top of page
Fundo .png

Liminares são concedidas pela Justiça Federal para afastar a limitação das compensações imposta pela MP nº 1.202/2023

O juiz federal da 13ª Vara Cível Federal de São Paulo deferiu o pedido liminar requerido por empresa de comércio varejusta para determinar à Receita Federal do Brasil que não aplique as restrições à compensação impostas pela Medida Provisória nº 1.202/2023.


O artigo 4º da Medida Provisória, que entrou em vigor em 29 de dezembro do ano passado, acrescentou o inciso X ao §3º do artigo 74 e o artigo 74-A à Lei nº 9.430/2023, com uma limitação de compensação para créditos acima de dez milhões de reais, oriundos de decisões judiciais transitadas em julgado.


Segundo os dispositivos citados, as compensações ficariam restritas a um limite máximo mensal e seriam graduadas em função do valor total do crédito. Ademais, a primeira declaração de compensação deve ser apresentada em até cinco anos, contados da data do trânsito em julgado da decisão que reconheceu o crédito ou da homologação da desistência da execução do título judicial.


Nos termos da decisão, o direito à compensação deve ser executado com base nas normas em vigor à época da distribuição do processo judicial, de tal modo que a MP não poderia retroagir para alcançar essas ações.


Além disso, o magistrado afirmou que aceitar a nova sistemática restritiva para ações já propostas (julgadas ou não) seria admitir a retroatividade da lei em prejuízo do contribuinte, em ofensa ao art. 150, III, “a”, da Constituição Federal.

59 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Receba nossas publicações

Obrigado pelo envio!

bottom of page