top of page
Fundo .png

Em Relatório Anual de Fiscalização, a Receita Federal apontou seu foco de atuação para 2024

A Receita Federal do Brasil (RFB) divulgou em 08 de abril de 2024, o Relatório Anual da Fiscalização e apresentou o seu planejamento para 2024. No documento, é possível identificar os setores da economia que deverão ser mais impactados pela atuação do Fisco Federal neste ano.


Por meio de medidas distribuídas em quatro grupos de ação, a RFB sinalizou que terá maior foco na intensificação das medidas de conformidade fiscal, com destaque para o Programa de Conformidade Cooperativa Fiscal - Confia, que está com prazo aberto para adesão ao programa piloto até 12/04/2024. 


No primeiro grupo, há as “medidas estruturantes”, voltadas à identificação prévia de riscos de conformidade e das inovações da economia para que o órgão possa acompanhar as novidades e criar ferramentas para lidar com elas de forma rápida e efetiva. Nesse âmbito, além dos trabalhos relacionados ao Programa Confia, destaca-se a preocupação com os segmentos de criptoativos (com a troca de informações automáticas e exchanges no exterior) e dos marketplaces (por meio do incentivo à correta prestação de informações pelas plataformas digitais).


Ainda, integram as medidas estruturantes o acompanhamento dos desdobramentos das novas legislações sobre os Preços de Transferência, os Juros sobre Capital Próprio (JCP) e os Fundos de Investimento, bem como a adoção de estratégias de conformidade para situações de apropriação indevida de créditos de PIS/COFINS (como aquisições do próprio CNPJ e a subcontratação de frete) e a aprimoração de estratégias para a atuação institucional sobre o uso de prejuízos fiscais.


Quanto às medidas de facilitação, que visam auxiliar a entrega de obrigações acessórias pelos contribuintes, ressalta-se que a RFB registrou as pretensões de consolidação e disponibilização de dados sobre o preenchimento da ECF em frequência mensal (não mais trimestral) e a condução de ações de facilitação e incentivo ao preenchimento adequado das DIRPF em relação aos criptoativos.


Já sobre as medidas de assistência, que pretendem criar oportunidades de autorregularização pelos contribuintes, destaca-se do relatório o apontamento para os temas da adesão indevida ao PERSE e da tributação pelo IRPJ e CSLL sobre os valores de PIS/COFINS recuperados em razão da “tese do século”. 


Chama atenção, ainda, a cobrança da CSLL em razão do julgamento definitivo dos Temas 881 e 885, do STF, que limitou a coisa julgada em matéria constitucional. Apesar de ter incentivado a autorregularização pelos contribuintes em 2023, a RFB anunciou que criará medidas de incentivo para contribuinte de menor porte e que encaminhará para fiscalização e cobrança os contribuintes que não realizaram a autorregularização no ano passado.


Entra-se, assim, nas medidas de Controle Coercitivo, aquelas que serão objeto de fiscalização e auditorias pela RFB. Além da citada acima, o órgão apontou dois segmentos que terão foco nesse âmbito. O primeiro deles é o da subvenção para investimentos, ao informar que serão fiscalizados os contribuintes que não aproveitaram a autorregularização incentivada em 2023, além de observadas as práticas dos contribuintes com maior risco de conformidade ao longo deste ano, tendo por parâmetro as diretrizes da Lei n. 14.789/2023, que alterou a forma de tributação das subvenções.  


Por fim, o segundo foco de fiscalização da RFB serão os contribuintes submetidos ao acompanhamento especial, regulado pela Portaria RFB nº 390/2023, com alto risco de conformidade tributária ou que apresentam operações com indícios de fraude.

67 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Receba nossas publicações

Obrigado pelo envio!

bottom of page